Segunda-feira, 5 de Julho de 2010

O CORPO ESTRANHO

 

Ela não encontrava a chave. Procurou-a, em vão, nos bolsos do blazer e das calças. Procurou, desesperadamente, em todos os compartimentos da mala. Nada. No entanto recordava-se perfeitamente de a ter guardado algures, antes de sair a porta. Aquela mesma porta que ela costumava amar sempre que abria para sair e odiar, sempre que abria para entrar. Desta vez, nem ódio, nem amor. Nenhuma porta podia ser aberta sem chave… a não ser no conto de Aladino. Não havia chave… não entraria!

Acalmou, por fim, e tentou raciocinar. – Não há acasos!, pensou. Se a chave não aparece e a porta se não abre, é porque eu não devo entrar!

Cerrou decididamente os olhos e tentou entender o porquê. A mesma ausência de resposta. Mais ainda… não havia sinal de vida.  Não havia rigorosamente nada passível de ser entendido. Àquela hora da madrugada seria suposto os edifícios estarem a abarrotar de gente. Alguns ainda a dormir e outros alguns correndo para os chuveiros, para as portas, movendo-se apressadamente, tentando não se desencontrar, no tempo, dos transportes que os levariam aos locais de trabalho. Mas a verdade é que o prédio estava – ou aparentava estar – morto, vazio como um gigantesco túmulo à espera do seu primeiro corpo. Até os pardais, que invariavelmente vinham saudar cada alvorecer, tinham desaparecido por obra e graça.

Sacudiu a cabeça decididamente, tentando afastar os últimos acordes de Bob Marley que haviam marcado o compasso final de uma noite de boémia. Tudo lhe parecia desconexo. Talvez não, exactamente, desconexo… talvez, apenas, diferente, alheio, ausente.

Voltou as costas ao edifício e refez, em sentido contrário, os passos da caminhada que a trouxera até àquela porta. Hesitou por segundos.

Não fazia sentido…, pensou. Àquela hora o local estaria deserto… outra porta fechada! Caminhou, ainda assim. A lua sorria-lhe lá de cima, prenha e amável.

Quando, por fim, chegou à discoteca, parou ligeiramente perturbada. A música já não se fazia ouvir, o que era perfeitamente normal devido ao adiantado da hora, mas alguém, lá de dentro, parecia chamar o seu nome. Não. Não o nome. Era a ela mesma, mulher ou coisa nenhuma, transcendendo a necessidade do substantivo próprio, que alguém chamava suave mas imperiosamente. Felizmente ali não seria necessário usar chave. Bastaria empurrar a porta. Mas nem isso foi preciso. Flutuou graciosamente através dela, pasma, confundida.

Um rapaz de t-shirt negra despejava os últimos cinzeiros e arrumava os últimos copos e, sobre uma das mesas, um corpo repousava como se dormisse, os cabelos negros espalhados em leque na superfície metálica. Um braço levemente apoiado no assento da cadeira fê-la alongar o olhar até à sua extremidade. A mão, cerrada, segurava ainda uma chave. Entendeu no preciso instante em que os olhos alcançaram o pedacinho de metal prateado, trabalhado, recortado. Aproximou-se do corpo e reparou que os lábios sorriam e os olhos, mesmo fechados, eram eloquentes… e chamavam-na. Chamavam-na porque aquele era o seu corpo e teria de permanecer nele por mais algum tempo. O tempo suficiente para o rapaz da t-shirt preta descobrir que estava morta, chamar os bombeiros ou o que quer que fosse necessário chamar numa situação daquelas, avisar os donos do estabelecimento, assustar-se talvez… o que importava agora?

Entrou no corpo imóvel e ali ficou, obedientemente, a sorrir, à espera de que, pelo menos naquelas circunstâncias, alguém fizesse alguma coisa por ela.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 1993

sinto-me:
publicado por poetaporkedeusker às 10:58
link do post | comentar | favorito
 O que é? |
2 comentários:
De M.Luísa Adães a 13 de Julho de 2010 às 17:15
Será que ela tinha morrido e não se tinha apercebido?

Será que procurava a chave para entrar a porta e não precisava de chave?

Era um ser livre numa outra dimensão? Ou me enganei
a ler o texto, um pouco à pressa?.

De qualquer forma, está muito bom e eu o entendi à
minha maneira e para mim, acertei...

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 14 de Julho de 2010 às 14:30
Sim, amiga, ela estava morta e não se tinha apercebido disso até descobrir a chave... mas isto é um conto e joga um pouco com o simbolismo da "chave", tão utilizado não apenas como aquele objectozinho com que abrimos as portas. Há tantas chaves e todas elas são objectos ou conceitos que se prestam a grandes viagens do nosso pensamento... quanto ao facto de ela ser livre, sim. Estava- no conto - mesmo prestes a ser livre.
Este é um conto de 1993 que eu encontrei numa das minhas gavetas a abarrotar de papelada...
Abraço grande!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. REDUTOR!

. "DIA DE VIVER O HOJE E SE...

. ELA(S)

. CONTOS DE FADAS...

. FELIZ NATAL 2015

. BOAS FESTAS!

. RESOLVENDO A EQUAÇÃO DO S...

. NA CASA

. EM CONVERSA...

. POESIA E POETAS

.arquivos

. Março 2017

. Setembro 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.os postes mais apedrejados

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.links

.DADOS ESTATISTÍCOS SOBRE O DESEMPREGO

.ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

.PEDRADAS


View My Stats

.UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...
blogs SAPO

.subscrever feeds