Terça-feira, 28 de Junho de 2011

NÃO PAGO, NÃO PAGO E NÃO PAGO!

 

Vocês, que até ganham um bocadinho mais do que cento oitenta e nove euros por mês, pagariam?*

Provavelmente estou mesmo com uma infecção urinária alta (com compromisso renal, como todas as poucas que tive…) que não deve ter nada a ver com os banalíssimos Escherechia Coli** que toda a gente vai tendo de quando em vez, porque as minhas - essas poucas que mencionei -  foram inevitavelmente protagonizadas  por bicharocos maquiavélicos e oportunistas, do tipo Proteus Mirabilis … ou pior. Não me parece que seja preciso ser técnico de saúde para se entender que, numa cidadã debilitada ao nível da saúde física, este tipo de infecção seja incomparavelmente mais grave do que num adulto saudável… mas, adiante! A urinocultura vai ser, com toda a probabilidade, inconclusiva porque eu estou a fazer antibioterapia, prescrita no hospital, para uma infecção respiratória. Até aqui,” tant mal que bien”… ninguém tem a culpa deste tipo de azares e, azares, acontecem a qualquer um… aquilo que eu não posso nem quero calar é o facto de estar a ser lesada num dos meus mais básicos direitos. Tão simples quanto isto; em qualquer unidade de cuidados de saúde a que eu – in extremis e só in extremis! – recorra, a barra magnética do meu cartão de cidadão informa os funcionários administrativos da minha situação de “isenta por doença crónica”. Isto acontece sempre que eu sou convocada para uma consulta ou, em último caso, recorro à urgência hospitalar. “Normal!”, exclamarão vocês, caso tenham tido a improvável paciência de trazer a vossa leitura até este exactíssimo ponto…

Sim, normalíssimo, responderei eu, acrescentando que nada seria mais normal do que isto SE – há sempre um SE… - no Centro de Saúde de Oeiras eu não fosse obrigada a pagar não só a taxa moderadora, como também a minha comparticipação nas análises clínicas e outros meios complementares de diagnóstico.

Porque não resolvo já isso? Eu tento! Eu bem tento… ando há meses a tentar e todos me vão dando as respostas mais estapafúrdias que alguém possa imaginar! Hoje, por exemplo, não me bastou apresentar os atestados acima – e abaixo… - e tentar explicar que não é possível um serviço de cuidados de saúde passar-me receitas electrónicas nas quais o despacho que oferece gratuitidade está presente e, a seguir, ceder-me credenciais para análises clínicas onde o mesmo despacho desaparece miraculosamente…

Viram como eu tentei?

 

 

*Penso que, nesta coisa de “pobreza online”, continuo a bater todos os recordes…

 

** Estes, a que a maioria chama de Colibacilo,

não fazem grande mossa no adulto saudável e não têm culpa nenhuma de que uns “primos” tenham resolvido evoluir de forma mais agressiva, deixando o nome da” família” pelas ruas da amargura, em parangonas, nas páginas de todos os jornais…

 

 

Maria João Brito de Sousa – 27.06.2011 – 23.59h

 

 


sinto-me:
publicado por poetaporkedeusker às 13:31
link do post | comentar | favorito
 O que é? |
8 comentários:
De Zilda Cardoso a 28 de Junho de 2011 às 20:30
Maria João
Como posso ajudar a fazer barulho? Fazendo barulho, não é?
E como faço barulho de modo que os responsáveis ouçam? Eles são completamente surdos e de miserável entendimento.
O que lhes chamará a atenção, o que será capaz de lhes chamar a atenção? O que desfará os efeitos da incompetência e da má vontade? Que é maldade e falta de visão.
De poetaporkedeusker a 29 de Junho de 2011 às 11:13
Muito obrigada, Zilda, por se disponibilizar para o tal "barulho" que eu fiz neste artigo. Estou convicta de que vou ter o caso solucionado na próxima sexta-feira, data da consulta em que irei saber o resultado da urinocultura que fui fazer ontem. Não sei se é maldade, mas falta de visão, é de certeza! Ao certo, alguém deve ter sobreposto a minha isenção por desemprego à isenção por doença crónica e, fazê-los admitir que cometeram um errozinho, é coisa mais difícil do que "meter o Rossio na rua da Betesga".... mas para ter a isenção por desemprego eu teria de ir a Cascais, ao Centro de Emprego, trazer uma credencial e fazê-lo anualmente, muito provavelmente "ad aeternum"... isto pode parecer muito simples mas, para mim, significa uma despesa bastante significativa em termos de transportes. São pequeninas coisas que se podem evitar com um gesto simples... e tem sido o cabo dos trabalhos porque todos passam a solução para a mão do outro e tudo ficou por resolver... até agora, espero eu!
Um abraço muito grande!
De Zilda Cardoso a 29 de Junho de 2011 às 14:08
São estas pequenas razões que fazem o nosso país PEQUENO. Tão pequeno!
De poetaporkedeusker a 29 de Junho de 2011 às 14:19
Tem toda a razão, Zilda! Eu acredito no povo português e gostaria muito que estas pequenas coisas se tornassem cada vez menos frequentes porque provocam um desgaste indizível e bastante mais sofrimento do que possa parecer.
Vou visitá-la! Se me preocupo demasiado com o volume de correio acumulado, acabo por não dialogar nada com os meus amigos...
De poetazarolho a 29 de Junho de 2011 às 00:30
“Não pagamos”

O melhor será não pagar
Para voltarmos a crescer
Diz quem parece saber
Daquilo que está a falar

Obrigado pela sugestão
Essa mesmo vou seguir
Já posso voltar a dormir
Não devo um único tostão

Senhores da troika abalai
Pois terminou a negociação
Aos quatro ventos espalhai

Aquela malta é dura de roer
Mesmo em decomposição
Prefere não pagar a morrer.
De poetaporkedeusker a 29 de Junho de 2011 às 11:20
:))

Pode a Troika acreditar
Que os portugueses não são
- como alguns podem pensar... -
Nenhuns parvos, pois então! :))

Se as coisas correm pior
Do que aquilo que é esperado,
Damos o nosso melhor
E até cantamos o fado! :)))

Para quem estiver doente
E tiver razão de queixa
Da saúde, em Portugal,

- sei que vou falar "a quente"... -
Deixo aqui a minha "deixa";
Emende-se o que está mal! :)))


Abraço grande, Poeta!
De geriatriaaminhavida a 29 de Junho de 2011 às 09:01
Eu não sei se nos outros países também será assim...coisas sem nexo, burocracia , antipatia, arrogância ,...mas cá a coisa está cada vez pior.
Cada serviço, faz o que quer.
Quando estava a tirar o meu curso estava isenta das taxas moderadoras, pois durante 1 ano e meio estava a frequentar o curso através do IEFP. Foi-nos entregue a declaração para pedir essa isenção , que se trataria no centro de saúde .</a> Assim fiz.
Nunca mais me preocupei, pois a pessoa que tratou disso não me disse que tinha de ser renovada e colegas minhas já tinham ido ao medico e nada tinham pago. Certo dia tive de ir às urgência e a funcionaria pede-me para pagar as taxas, claro que eu informei a senhora que estava isenta . Segundo ela e depois de ver o papel, confirmei que estava escrita uma data de validade. Fui directamente à Directora do Centro de saúde. Expliquei-lhe que iria frequentar o curso durante ano e meio, como tal não tinha lógica ir renovar o papel de dois em dois meses. Falei-lhe que não percebia como é que outras colegas, que moravam noutras cidades tinham a declaração com duração do curso. Pois segundo ela, as funcionarias dos outros centros de saúde, é que estavam a trabalhar mal.
Desesti e sempre que ia ao medico pagava. felizmente que fui poucas vezes.
Portanto não me adira que esteja a passar por essa situação. Nós é que estamos sempre errados, não é? Boa semana e desculpe o testamento enorme que aqui deixei
De poetaporkedeusker a 29 de Junho de 2011 às 11:28
Não tem nada que pedir desculpa, minha amiga! Eu sei que há pequeninas coisas que, para nós, significam muito e podem ser resolvidas com um bocadinho de empenho e boa vontade... outras vezes, somos levados ao extremo e fazemos "barulho", como eu fiz neste post... e tem razão porque "nós" é que estamos sempre enganados... pelo menos é o que nos tentam fazer acreditar. Sempre houve problemas de articulação entre os diferentes serviços e nós, os utentes, munidos da paciência e persistência possíveis, devemos tentar fazer valer os nossos direitos.
Um abraço grande!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. REDUTOR!

. "DIA DE VIVER O HOJE E SE...

. ELA(S)

. CONTOS DE FADAS...

. FELIZ NATAL 2015

. BOAS FESTAS!

. RESOLVENDO A EQUAÇÃO DO S...

. NA CASA

. EM CONVERSA...

. POESIA E POETAS

.arquivos

. Março 2017

. Setembro 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.os postes mais apedrejados

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.links

.DADOS ESTATISTÍCOS SOBRE O DESEMPREGO

.ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

.PEDRADAS


View My Stats

.UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...
blogs SAPO

.subscrever feeds