Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

REFLEXÕES (IN)ÚTEIS SOBRE POESIA, POETAS E TRABALHO POÉTICO

BrQsJXyIgAAS5nr.jpg

Toda a poesia que, largando os suportes "espaço" e "tempo", se afasta da descrição ou da narrativa e eleva a realidade à sua própria conceptualização para a tornar, dessa forma, mais abrangente e mais intemporal, sem perder minimamente o seu vínculo aos princípios éticos do poeta/escritor, exige uma muito maior reflexão, um muito mais extenso tempo de maturação e constrói um compromisso inamovível entre ele/ela, poeta, e essa mesma realidade depois de filtrada pelos tais nunca esquecidos princípios.

Para os poetas que trabalham a realidade a esse nível, a carga de energia que cada poema contém é obtida através da concentração e da reflexão. É evidente que não vou fazer citações pois nunca escondi que era uma poeta muito mais ligada à produção do que à teorização, que deixo para os que se sintam mais vocacionados para esse tipo de trabalho de pesquisa e para os que possam dispor de facilidades de acesso a fontes documentais de que eu não disponho neste momento da minha vida.

Não sou, também, uma boa comentadora. Nunca o serei. Raramente o são, ou foram, os poetas que produzem este tipo de poesia que, como todos os outros, está fortemente ligada às características, à educação e à vivência de cada um de nós.

A todos os eventuais leitores que pretendam encontrar, em toda a minha poesia, a descrição de alguma coisa ou uma história de apreensão imediata, lembro, mais uma vez, que cada poeta tem as suas próprias características e que a poesia é um vastíssimo universo de formas, estilos e conceitos estéticos.

Se é certo que me não seduz, mesmo nada, a ideia de "poesia pela poesia", não é menos certo que a realidade é passível de ser traduzida e trabalhada de formas muito menos óbvias do que as que devem ser - por imposição das suas próprias características - adoptadas numa notícia, numa sinopse, num recado, numa bula, num roteiro turístico ou num anúncio, seja o que for que ele anuncie.

Aprende-se a ler poesia, lendo-a e fazendo alguma análise comparativa e dedutiva. Mas não só.



Maria João Brito de Sousa - 03.09.2015



NOTA - Mais uma vez lembro que estas reflexões, sendo fruto de muitos anos de trabalho poético, não se dirigem a ninguém em particular e que as publico apenas por me parecer que podem ir ao encontro de quem pense e sinta de modo semelhante ou ao de quem nunca tenha tido a oportunidade de reflectir sobre este assunto e por ele se sinta interessado a ponto de o ler até ao fim.

 

 

publicado por poetaporkedeusker às 19:37
link do post | comentar | favorito
 O que é? |
2 comentários:
De Francisco Carita Mata a 4 de Setembro de 2015 às 19:32
Interessante e importante a sua reflexão!
De poetaporkedeusker a 4 de Setembro de 2015 às 20:48
Foi um tanto ou quanto irreflectida, esta minha publicação que brotou de um impulso do momento, mas estou convicta de que a escreveria de novo, hoje, depois de mais reflectidamente amadurecida, amigo Francisco Carita Mata. E penso, também, que muitos dos poetas que deixaram de estar entre nós o subscreveriam... se, como eu, se vissem na contingência de terem de publicar "online"...
Claro que sei que sempre houve uma profunda influência do meio, sobre eles, mas esta velocidade vertiginosa não é nada fácil de acompanhar para quem se dedica profundamente à poesia clássica, acredite! As opções passaram a ser mais ríspidas, mais prementes, o tão necessário tempo de reflexão e revisão foi reduzido à quase inexistência e as solicitações exponenciaram-se, elevadas ao cubo de todas as humanas capacidades de responder-lhes...

Se tem muitas, enormes vantagens, é bem certinho que a escrita se tornou muito mais difícil. Faço constantemente esta comparação quase subconsciente; sera que as pessoas também passaram a saltar para a pista, barrando o caminho aos atletas corredores? E agarrarão o braço que leva a enxada à terra, a meio do seu percurso? Travarão, também, a mão do oleiro que molda o pote? E, se o fazem, terão consciência disso?

Peço desculpa pelo longo comentário, mas parece-me que pode haver aqui muita coisa em causa e penso ter, também eu, uma palavra - ou muitas... - a dizer. Obrigada!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. REDUTOR!

. "DIA DE VIVER O HOJE E SE...

. ELA(S)

. CONTOS DE FADAS...

. FELIZ NATAL 2015

. BOAS FESTAS!

. RESOLVENDO A EQUAÇÃO DO S...

. NA CASA

. EM CONVERSA...

. POESIA E POETAS

.arquivos

. Março 2017

. Setembro 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.os postes mais apedrejados

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.links

.DADOS ESTATISTÍCOS SOBRE O DESEMPREGO

.ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

.PEDRADAS


View My Stats

.UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...
blogs SAPO

.subscrever feeds