Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://contra-sensual.blogs.sapo.pt

http://contra-sensual.blogs.sapo.pt

29
Mai20

OBRA - Dissecação de um conceito de...


Maria João Brito de Sousa

eu e Nice - Dafundo (1).jpg

OBRA - Dissecação de um conceito de...
(Proseando...)
 
 
A criatividade – aquela que nos nasce das constantes colisões com as imprevisibilidades do espaço e do tempo, não a que nos surge mercantilisticamente formatada pelas chamadas “necessidades de mercado” - nunca foi muito amiga das burocracias, nem dos caminhos traçados por outrém... esmagam-na as imposições, viola-no-la e inutiliza-no-la a rigidez dos protocolos. Mas engendra(se). Sempre.
 
Venho de uma geração que sempre privilegiou o utilitário, sem nunca ter deixado que lhe fossem arrancadas as raízes primordiais do sonho e do espanto. A “fornada” exactamente necessária àquele tempo, neste espaço. Sou, portanto, dessa “fornada”, uma peçazinha claramente nascida para a produção ao nível das artes e das ciências a quem, porém, uma vez enredada na teia social, acabaram por ficar vedadas todas as formas de se tornar verdadeiramente útil e de preencher com o seu específico desempenho, alguns dos muitos, dos infindáveis – e muito desejáveis... - espaços vazios do sempre crescente e ondulante tecido criativo.
 
Nunca me queixo. Constato. E aproveito para, agora que em verdade posso dizer que me é muito difícil ter força para agir e espantosamente fácil encontrar um sentido para a acção, tentar cumprir, no pouco tempo que me resta, o que poderia ter vindo a ser cumprido ao longo do tempo útil de uma vida.
 
Obra? É isto, este espaço a que chamamos erro e que medeia
entre o que já fizemos e aquilo que poderíamos ter feito.
 
*
Maria João Brito de Sousa -29.05.2015
 
 
 
08
Mai20

ORA, ORA...


Maria João Brito de Sousa

Mátria.jpg

Ora, ora... a mente humana só pode sobreviver através da procura da verdade, ainda que sabendo que jamais a encontrará.

 

Eu

31
Jul18

PACIÊNCIA


Maria João Brito de Sousa

Paciência.jpg

 

PACIÊNCIA



*





O escritor levanta-se, espreguiça-se, sonda o horizonte e faz-se ao caminho.



É importante que se diga que este escritor escreve poesia.

É importante que se saiba que este escritor é, portanto, um poeta.



A caminho, este poeta pensa a palavra poesia.

Toma-lhe o peso. Prova-a.

Humaniza-a e veste-a com um p maiúsculo.



Observa atentamente o resultado.



Reconhece que alguns erros de leitura possam ocorrer, aqui e além.

Aceita que alguns olhos afirmem ver um p de possidónio onde ele colocara um p de pessoa.

 

 

 

 

Paciência...





Maria João Brito de Sousa, 31.07.2018 – 17.19h

 

19
Jul18

COM UMA PERNA ÀS COSTAS


Maria João Brito de Sousa

maquina do tempo.jpg

Nós, os apaixonados operários do soneto clássico, não temos sido nada poupados pelos críticos modernistas e pós-modernistas de todo o mundo.

 

Acusam-nos de repetir o mesmo "ram-ram-ram" ao longo dos séculos. Enquanto servidores do ser humano através do soneto, cabe-nos provar que o Soneto, ainda que formalmente intocável, é tão plástico e tão versátil que é capaz de conter em si todos os estilos de todos os tempos.

 

Querem ideias capazes de construir e desconstruir tudo e mais alguma coisa? O soneto sabe tê-las! Querem máquinas de viajar no tempo capazes de alcançar o futuro? O soneto fá-lo! 

 

O soneto é a fórmula literária mais próxima da perfeição e ainda não descobri nenhuma grande inovação que ele não ultrapassasse com uma perna às costas.

 

 

Maria João Brito de Sousa - 19.07.2018 

 

 

06
Abr18

CAFEZINHO? QUE CAFEZINHO?


Maria João Brito de Sousa

Cafezinho.jpg

 Cafezinho? Que cafezinho? A cevada solúvel de marca branca sai muito mais barata e, muito honestamente, o que se perde em sabor e olfacto, ganha-se em moedinhas no fundo do bolso. 

Sou selectiva, sim, mas essa minha característica só é aplicável a coisas bem mais importantes do que o sabor de um café. 

A quem não seja capaz de um tal estoicismo, recomendo que o tome com ou sem adoçante(s). Deve é retirar o acento agudo do cafezinho e fazer o favor de o colocar no açúcar.

11
Set16

"DIA DE VIVER O HOJE E SEMEAR O AMANHÃ"


Maria João Brito de Sousa

... a propósito da frase "... dia de viver o Hoje e semear o Amanhã" - lembro e relembro esta estranha sensação de desconforto - e de vida vivida a meia-haste... - que me percorre sempre que oiço/leio a velha máxima que nos recomenda que vivamos apenas o presente... e "um dia de cada vez"... penso que para um ser humano na sua plenitude, é sempre impossível e redutor viver sem a ideia de estar a contribuir, melhor, ou pior, mas tão bem quanto o consegue, para o amanhã da humanidade a que pertence.

 

Maria João Brito de Sousa - 10.09.2016

 

 

Semear amanhãs.jpg

 

02
Mai16

ELA(S)


Maria João Brito de Sousa

oculos cor de rosa.jpg

 

ELA(S)

 

 

Elas escolheram lá ter de semi-viver, ter de lutar a cada segundo pelo direito à próxima inspiração - arquejante(s) -, ter de sentir que a febre as aliena como se de excesso de vinho se tratasse... elas previram lá precisarem de estrebuchar, por dentro, à procura da palavra correcta, quando a sua existência se esculpe e acrescenta nas e pelas palavras e foi exactamente assim, sobre os alicerces da palavra escrita, que sobreviveram durante os últimos anos do seu percurso... porém, verdade seja dita, ela(s) jamais teria(m) querido vidas de algodão-doce, ou estradas de rebuçados, bombons e príncipes encantados. Elas protestam, mas estão em paz com as suas consciências e rejeitam os silicones exteriores... ou interiores.



Se, efectivamente, houvesse que escolher entre uma outra, ela(s) teria(m) escolhido a primeira, sem hesitar...



Quem pode escrever poesia decente cavalgando um unicórnio e envergando uns óculos côr-de-rosa?



Maria João Brito de Sousa - 02.05.2016

 

 

03
Jan16

CONTOS DE FADAS...


Maria João Brito de Sousa

images (41).jpg

 

Nunca fui grande fã dos contos de fadas. Que me perdoem os inspiradíssimos autores, os muitos técnicos de saúde mental que sobre eles se têm debruçado e o senhor Bruno Bettelheim, cuja dissertação me dignei, agora mesmo, ler , ainda que em diagonal e com a pressa de quem, tendo graves problemas de falta de vista e nenhuma hipótese de adquirir os óculos adequados ao seu problema, a poupa tanto quanto vai podendo... (isto das prioridades tem cá um peso...)



Se é bem certo que os meus sete ou oito anos de vida dispensaram, sem hesitar, o aborrecidíssimo e desencantado sono de uma Bela Adormecida e o não menos estereotipado "beijo de amor" que a deveria acordar , para correrem a deleitar-se na crescentemente complexa conspiração dos microorganismos potencialmente patogénicos contra as brilhantes descobertas de Alexander Flemming, não menos certo será que Robert Stromberg, apesar da sua americaníssima raiz, me conseguiu despertar - a desoras... - para a verdadeira importância de um conto de fadas. Reinventado, admito, mas... ainda Conto de Fadas.



Para todos os que ainda não viram "Malévola", com olhos de ver, aqui fica a minha irrevogável recomendação.



Maria João Brito de Sousa - 03.01.2016

 

 

PS - Valeu a pena, avô poeta, teres-me contado tantas histórias de bruxas-boas e de fadas-mázinhas... ou incompetentes, mesquinhas, conflituosas e, sobretudo, estúpidas...

 

 

Os maniqueísmos cristalizados - e profundamente enraizados... - nunca foram o mais fértil dos terrenos, para quem pretendeu "plantar ", num mundozinho vergado a preconceitos e estereótipos, sementes de verdadeira,  florescente e criativa humanidade...

 

 





 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...