Domingo, 29 de Abril de 2012

DOS MENINOS QUE NASCEM... E DOS QUE MORREM

 

O menino sentiu, quis e bateu à porta; - Truz, truz…
Era já uma decisão pessoal. Transcendia-o, mas era a mais importante das decisões que uma vida pode tomar assim que o tempo e as variáveis apontam o instante e o passo inicial do primeiro caminho…
A porta abriu-se de rompante deixando filtrar uma luminosidade vaga, macia, imperiosa. Sabia exactamente o que fazer. Foi em frente, sem hesitar um segundo. Impunha-se-lhe ser o primeiro a alcançar aquele indefinível pontinho rosado que sabia sem conhecer.
Assim se cumpria no seu primeiríssimo destino. O segundo seria o da transformação e também a esse foi cumprindo no mais pleno usufruto de todas as suas potencialidades. Cresceu no conforto morno do nicho, utilizando cada novo pedacinho de si, cada instrumento que o tempo e a vida lhe legavam no momento certo, sem questionar-se mais do que o que empenho do próprio gesto lhe poderia impor… fruindo apenas, aprendendo a cada segundo, trabalhando, sempre, na sua própria construção.
Ao cabo de uns poucos meses, aprendeu a chuchar nos deditos que acabavam de formar-se, a ensaiar os movimentos respiratórios que o futuro lhe viria a exigir, a pontapear o líquido amniótico que o envolvia por inteiro e a dar cambalhotas, como se adivinhasse que todos, mais tarde ou mais cedo, nos poderemos ver forçados a experimentá-las. Cumpriu-se, cumprindo-se assim. Simplesmente.
Ouviu sons e aprendeu a entendê-los. Reconheceu-lhes as modulações e, sem que ninguém o sonhasse, dançou as suas primeiras danças.
Descobriu que há horas estáticas, silenciosas em que o sono nos embala e seduz e horas apressadas, trepidantes, em que importa estar alerta, escutando e assimilando cada novo impulso externo. Por vezes – tantas… - respondeu aos mais ínfimos estímulos naquele morse muito pessoal, mal-amanhado na ternura da curiosidade animal que desponta. Comunicava. Sabia-SE e dava-se a conhecer, respondendo a quem o saudasse desde o lado de fora e entendeu – entendeu mesmo! – que a vida continuava para além do oco macio onde lhe coubera começar a ser.
Resmungou e chorou sem que outros ouvidos o pudessem ouvir e sorriu, sorriu muito, sem que outros olhos o pudessem ver, mas ensaiou e burilou, a cada segundo, o seu novo estatuto de ser vivo em construção.
Um dia… um dia chegou o momento da grande aventura, da assustadora viagem, do aperto, do sufoco, do rude encontro com um desconhecido que apenas pudera pressentir. Foi duro. Nada se consegue facilmente nesta vida e até os meninos que nascem têm de lutar pela sobrevivência.
Sofreu pela primeira vez e protestou gritando a plenos pulmões enquanto as mãos, desesperadamente, tentavam segurar coisa nenhuma.
Alguém lhe estendeu um dedo que agarrou com a força de quem conquista um mundo… ou um direito. Adormeceu a seguir, exausto, por um instante rendido ao novíssimo desconforto. E continuou a viver…



Assim nasceu o menino-vivo.
Em tudo o mais o meu viveu, sentiu, aprendeu e se cumpriu mas, na hora do sufoco, não teve mãos que o amparassem na inevitável aventura. A grande, grande viagem foi a primeira… e a última.




Maria João Brito de Sousa – Verão de 1989


sinto-me:
publicado por poetaporkedeusker às 13:03
link do post | comentar | favorito
10 comentários:
De jabeiteslp a 29 de Abril de 2012 às 15:03

às vezes
às vezes acaba um momento....mas outro virá...

grande e bela viagem
na descrição
e muito coração....

tarde feliz
De poetaporkedeusker a 29 de Abril de 2012 às 15:24
Só havia coração em mim, nessa altura, Anjo da Esquina... toda eu era coração e, acredita, um coração completamente despedaçado... levou alguns anos a remontar o puzzle do entendimento e da vontade de viver. Já lá vão quase 23... os primeiros sete ou oito foram anos em que, hoje, me não reconheceria enquanto pessoa... valeu-me, na altura, a poesia que manteve alguma coesão entre o meu eu que continuava por cá e o que sentia a necessidade de ir descansar...
Também eu parti por instantes, por choque hipovolémico e foi quase milagrosamente que acabei por acordar, mais tarde.
Abraço grande!
De jabeiteslp a 29 de Abril de 2012 às 15:38

descobri ontem
que também conjugas os lápis e pincéis
poetisa de todas as sílabas e cores....

um feliz dia encanto de Poetisa....
De poetaporkedeusker a 29 de Abril de 2012 às 15:44
:) Também, Anjo... desde muito pequenina... mas agora não tenho energia física para pintar. A minha pintura sempre foi muito intensa, sempre me exigiu muito de corpo e alma e este último já não obedece como antes... por isso tenho de pintar com versos... para esses bastam-me as pontas dos dedos e aguentar-me sentada...
De jabeiteslp a 29 de Abril de 2012 às 16:01

tamos assim pró que virá
que eu também me esqueço
e há uma semana
pela primeira vez
já não conseguia ir a direito...gravidade muito instável
até pensei ser das sapatilhas
mas não
foram uns copitos que bebi....

feliz tarde


De poetaporkedeusker a 29 de Abril de 2012 às 16:09
:))) Mas eu não bebi senão chá! Chazinho de Lúcia Lima!
Fico grata pela solidariedade, mas... antes tivessem sido os tais copinhos :))

Feliz tarde, Anjo!
De jabeiteslp a 29 de Abril de 2012 às 22:19

uma bela e feliz noite
De poetaporkedeusker a 29 de Abril de 2012 às 22:39
Boa noite, Anjo da Esquina!
De golimix a 30 de Abril de 2012 às 19:05
Viagens que nos trazem e nos levam...

Um beijinho e boa semana
De poetaporkedeusker a 30 de Abril de 2012 às 23:51
Um texto quase perdido numa folha A4 cheia de letras descoloridas pelos mais de vinte anos, Golimix... encontrei-o, não sei se "por acaso", e resolvi trazê-lo até cá...
Neste momento, acredito mais na hipotética "protecção" que a net possa dar às minhas palavras do que a que eu, obviamente, lhe não dou... mas não é por mal... são as circunstâncias que não são famosas :) E devo confessar que os meus velhotes peludos não ajudam lá muito nestas coisas de guardar papelada... há, por aqui, longos textos perfeitamente ilegíveis, reduzidos a vestígios gráficos sobre suportes de tirinhas de papel com muito poucos milímetros de largura... ainda assim, fascina-me esta "selecção" feita pelo "acaso"... quando menos espero, lá me aparece, mais ou menos legível, qualquer coisa que me fala muito ao coração... e sabe bem encontrá-la, assim, depois de tantos anos...

Abraço grande!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CAFEZINHO? QUE CAFEZINHO?

. REDUTOR!

. "DIA DE VIVER O HOJE E SE...

. ELA(S)

. CONTOS DE FADAS...

. FELIZ NATAL 2015

. BOAS FESTAS!

. RESOLVENDO A EQUAÇÃO DO S...

. NA CASA

. EM CONVERSA...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2017

. Setembro 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.os postes mais apedrejados

. Pai

. À luz da lua

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

.links

.DADOS ESTATISTÍCOS SOBRE O DESEMPREGO

.ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

.UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...
blogs SAPO

.subscrever feeds