Terça-feira, 8 de Junho de 2010

DA GÉNESE DA COR

 

A mulher recostou-se no banco de jardim, afastou com um brusco abanão de cabeça as madeixas grisalhas que lhe cobriam o rosto, respirou fundo e retomou a escrita que deixara de lado para uma última fumaça do Português Suave.

Ao longe, o mar endiabrado fazia soar o ribombar das ondas. Ela não ouvia… ou ouvia, mas interiorizava o som como se de coisa sua se tratasse. Recebera, ao nascer, esse estranho dom de se identificar com os eventos naturais. Alguns chamar-lhe-iam subjectividade. E assim era.

Passavam mulheres e carros incolores, homens mais ou menos monocrómicos, folhas indefinidas e baças levadas pelo vento. Passavam os minutos no harmonioso encadeamento de todas as inevitabilidades.

Só a mulher mantinha um estatismo apenas quebrado pelo ziguezaguear da caneta. Era nela e dela que as palavras jorravam em imparável torrente. Começavam num ponto bem definido do canto superior esquerdo da página e corriam, depois, em riachos que aumentavam, segundo a segundo, o seu caudal e acabavam por se infiltrar nos mais improváveis recantos da paisagem circundante.

Insinuavam-se, por vezes, sob os frondosos vestidos, adentravam as

mais pequenas concavidades dos corpos anónimos, subiam aos mais altos ramos dos choupos e abrunheiros nas asas dos pássaros que por ali voavam. De quando em vez, abrandava-as um pouco ou fazia-as parar nas negras penas dos melros que debicavam no passeio. A seguir deixava-as rodopiar sobre uma folha que o vento arrancava aqui e ali ou fundia-as nos multiplicados sons de fundo daquele jardim à beira estrada onde ressoavam, ainda, as ondas do mar.

O homem aproximou-se com uma postura humilde, educada. Olhou-a com olhos de nenhuma cor e sentou-se a razoável distância.

Ela continuava a deixar fluir os ribeiros de palavras sem aparentemente notar o recém-chegado.

Ele apercebeu-se deles. Não os via, não os podia entender ainda, mas sentia-os por ali, ausentes de forma e cor.

Eram canais de comunicação, caudais de pura energia que desconhecia mas que o rodeavam e sobrevoavam de forma inequívoca. Esperou que alguns deles viessem a pousar sobre ele.

Os minutos passavam e ele continuava a pressenti-los, a subentendê-los nas suas volteias improváveis, eventualmente absurdas. Mais minutos passaram. Vislumbrava-os agora, ainda informes mas começando a tingir-se das tonalidades mais imprevisíveis. Acendeu calmamente um cigarro e manteve o olhar fixo nas volutas de fumo que subiam.

As primeiras a deixar-se ver foram as letras vermelhas. Faziam um harmonioso contraste com o cinzento incerto que se evolava do rolinho branco que deixara entre o médio e o indicador. A seguir vieram as negras, as rosadas, as azuis e as amarelas nas suas mais variadas tonalidades. As mais tímidas foram as verdes. Primeiro as escuras e depois umas atrás das outras em ondas de diferentes cambiantes. Conseguia já formar palavras, frases. Enxergava os ribeiros, avaliava-lhes o caudal, descortinava-lhes os movimentos mais ou menos ondulantes.

O cigarro morrera há muito quando, ao por do sol, se levantaram em simultâneo e, de mãos dadas, se dirigiram ao mar que se tornara manso como um espelho e branco como uma folha de papel de arroz. Suavemente entraram nele até perfeitamente se fundirem e confundirem com a superfície que os recebia alegremente, numa súbita explosão de todas as cores do arco-íris.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

sinto-me:
publicado por poetaporkedeusker às 14:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CAFEZINHO? QUE CAFEZINHO?

. REDUTOR!

. "DIA DE VIVER O HOJE E SE...

. ELA(S)

. CONTOS DE FADAS...

. FELIZ NATAL 2015

. BOAS FESTAS!

. RESOLVENDO A EQUAÇÃO DO S...

. NA CASA

. EM CONVERSA...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2017

. Setembro 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Maio 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

.tags

. todas as tags

.os postes mais apedrejados

. Pai

. À luz da lua

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

.links

.DADOS ESTATISTÍCOS SOBRE O DESEMPREGO

.ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

.UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...
blogs SAPO

.subscrever feeds