Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://contra-sensual.blogs.sapo.pt

http://contra-sensual.blogs.sapo.pt

05
Jul10

O CORPO ESTRANHO


Maria João Brito de Sousa

 

Ela não encontrava a chave. Procurou-a, em vão, nos bolsos do blazer e das calças. Procurou, desesperadamente, em todos os compartimentos da mala. Nada. No entanto recordava-se perfeitamente de a ter guardado algures, antes de sair a porta. Aquela mesma porta que ela costumava amar sempre que abria para sair e odiar, sempre que abria para entrar. Desta vez, nem ódio, nem amor. Nenhuma porta podia ser aberta sem chave… a não ser no conto de Aladino. Não havia chave… não entraria!

Acalmou, por fim, e tentou raciocinar. – Não há acasos!, pensou. Se a chave não aparece e a porta se não abre, é porque eu não devo entrar!

Cerrou decididamente os olhos e tentou entender o porquê. A mesma ausência de resposta. Mais ainda… não havia sinal de vida.  Não havia rigorosamente nada passível de ser entendido. Àquela hora da madrugada seria suposto os edifícios estarem a abarrotar de gente. Alguns ainda a dormir e outros alguns correndo para os chuveiros, para as portas, movendo-se apressadamente, tentando não se desencontrar, no tempo, dos transportes que os levariam aos locais de trabalho. Mas a verdade é que o prédio estava – ou aparentava estar – morto, vazio como um gigantesco túmulo à espera do seu primeiro corpo. Até os pardais, que invariavelmente vinham saudar cada alvorecer, tinham desaparecido por obra e graça.

Sacudiu a cabeça decididamente, tentando afastar os últimos acordes de Bob Marley que haviam marcado o compasso final de uma noite de boémia. Tudo lhe parecia desconexo. Talvez não, exactamente, desconexo… talvez, apenas, diferente, alheio, ausente.

Voltou as costas ao edifício e refez, em sentido contrário, os passos da caminhada que a trouxera até àquela porta. Hesitou por segundos.

Não fazia sentido…, pensou. Àquela hora o local estaria deserto… outra porta fechada! Caminhou, ainda assim. A lua sorria-lhe lá de cima, prenha e amável.

Quando, por fim, chegou à discoteca, parou ligeiramente perturbada. A música já não se fazia ouvir, o que era perfeitamente normal devido ao adiantado da hora, mas alguém, lá de dentro, parecia chamar o seu nome. Não. Não o nome. Era a ela mesma, mulher ou coisa nenhuma, transcendendo a necessidade do substantivo próprio, que alguém chamava suave mas imperiosamente. Felizmente ali não seria necessário usar chave. Bastaria empurrar a porta. Mas nem isso foi preciso. Flutuou graciosamente através dela, pasma, confundida.

Um rapaz de t-shirt negra despejava os últimos cinzeiros e arrumava os últimos copos e, sobre uma das mesas, um corpo repousava como se dormisse, os cabelos negros espalhados em leque na superfície metálica. Um braço levemente apoiado no assento da cadeira fê-la alongar o olhar até à sua extremidade. A mão, cerrada, segurava ainda uma chave. Entendeu no preciso instante em que os olhos alcançaram o pedacinho de metal prateado, trabalhado, recortado. Aproximou-se do corpo e reparou que os lábios sorriam e os olhos, mesmo fechados, eram eloquentes… e chamavam-na. Chamavam-na porque aquele era o seu corpo e teria de permanecer nele por mais algum tempo. O tempo suficiente para o rapaz da t-shirt preta descobrir que estava morta, chamar os bombeiros ou o que quer que fosse necessário chamar numa situação daquelas, avisar os donos do estabelecimento, assustar-se talvez… o que importava agora?

Entrou no corpo imóvel e ali ficou, obedientemente, a sorrir, à espera de que, pelo menos naquelas circunstâncias, alguém fizesse alguma coisa por ela.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 1993

14
Jun10

CRONICONTO


Maria João Brito de Sousa

 

Foi ao anoitecer de um qualquer sábado por inventar. Era um caracol. Um belíssimo e bem desenvolvido molusco gastrópode do género Hélice.

Chamava-se José Maria. Não porque isso lhe fosse útil para se distinguir entre os seus ou porque, sequer, tivesse um aparelho fonador que lhe permitisse pronunciar uma aproximação de nome. Nada disso. Aquele caracol chamava-se José Maria porque eu, naquele final de tarde assim decidi o baptizar. E isso me bastou a mim e a ele lhe foi absolutamente indiferente.

José Maria teve um curto percurso nesta crónica de um dos meus momentos de rua… descobri-o enquanto se salvava de um canteiro ensopado pela chuva que, naquele dia, parecia eternizar-se. Escapou por um triz à sola do meu sapato e continuou, viscoso e decidido, o seu caminho pelas pedras da calçada em direcção a “sabe Deus o quê”… e Deus, naquele cair de noite, não se dignou proteger o rasto viscoso mas impoluto do desafortunado José Maria.

 

Um homem de fato cinzento, alto, entroncado, caminhava em direcção a nós falando ao telemóvel. A princípio era apenas um vulto semidiluído no crepúsculo de fundo. Apenas o vislumbrei, distraída que estava, os olhos postos na caminhada lenta e ondulante do meu novo e pequeno amigo.

Ele, caracol, avançando decidido, decerto incomodado pelo excesso de humidade; eu ali, embevecida, segurando o chapéu-de-chuva e tentando entender razões e filosofias de vida dos moluscos com exosqueleto…

Pareceu-me ter decorrido uma eternidade entre o momento em que vislumbrei o homem cinzento que falava para o telemóvel e aquele inesperado som de coisa que estala e quebra sob uma superfície dura.

Depois tudo se desenrolou fluidamente. O homem passou por mim sem deixar de falar, sem perder a tonalidade plúmbea que a hora e o estado do tempo lhe haviam conferido, a chuvinha irritante continuou a cair, eu, pasma, incrédula, continuei a segurar o guarda-chuva por cima da cabeça e o pedacinho de chão por onde José Maria se arrastara tão lesto quanto um caracol o pode ser, mudou de cor. Uma mancha castanha – pequena, quase insignificante – sobre um dos paralelepípedos, marcava então a presença daquele brevíssimo mas inesquecível caracol. José Maria, de seu nome. 

 

 

Maria João Brito de Sousa

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

ADVERTÊNCIA

A maioria das imagens são retiradas da internet. Deixe um comment se não estiver de acordo.

UM BLOG EXPLOSIVO...

... só para "de vez em quando"...